Ana Paula Alexandre e Pedro Estácio. Biblioteca da Faculdade de Letras da Ulisboa

25.05.2017, 11.00-13.00, Biblioteca Nacional de Portugal

A imprensa periódica colonial na Biblioteca da Faculdade de Letras da ULisboa: génese, evolução e perfil de uma colecção

 Só muito recentemente, no decurso do primeiro trimestre de 2017, se concluiu o tratamento documental da colecção de imprensa periódica colonial da Biblioteca da Faculdade de Letras da ULisboa que, até então, permaneceu, na sua grande maioria, por tratar e estudar, mantendo-se, consequentemente, desconhecida dos investigadores potencialmente nela interessados.

A colecção tem a sua génese num núcleo de publicações periódicas adquiridas, fundamentalmente, através de ofertas ou por via de doações de instituições e particulares que, desde o século XIX, ainda na vigência do Curso Superior de Letras, antecessor da actual Faculdade de Letras de Lisboa, vêm enriquecendo o respectivo acervo bibliográfico. Esta característica justifica e explica, em parte, o porquê de um grande número de títulos presentes na colecção apresentar lacunas do ponto de vista das existências, constituindo-se como colecções truncadas. O espectro cronológico abrangido pelo núcleo situa-se num intervalo compreendido entre 1846, ano da publicação mais antiga, correspondente à revista Gabinete Litterário das Fontaínhas, publicada em Nova-Goa, entre 1846 e 1852, e os anos de 1974/1975, no decurso dos quais os últimos territórios sob domínio português se tornaram independentes. Tipologicamente, predominam os boletins, anuários e revistas, publicados, maioritariamente, por instituições oficiais de âmbito nacional, provincial, regional ou local, cujo conteúdo tem carácter generalista ou especializado. Estas tipologias coexistem igualmente com um pequeno núcleo de revistas, de iniciativa privada, especializadas no domínio da literatura, artes e cultura.

Uma primeira evidência que decorre do trabalho exaustivo de levantamento, inventário e referenciação no catálogo bibliográfico da ULisboa, do núcleo de imprensa periódica colonial, remete-nos para a necessidade de estabelecer com outras bibliotecas e arquivos, portugueses e estrangeiros, detentores de colecções com perfil similar, laços de cooperação que permitam, simultaneamente, aprofundar o estudo das colecções, preservar e completar física ou virtualmente as mesmas tornando-as acessíveis aos investigadores. O Arquivo Virtual Comum, constituído no âmbito deste congresso, apresenta-se como uma excelente oportunidade para a concretização desses objectivos.

Palavras-chave: Imprensa periódica colonial; Biblioteca da Faculdade de Letras da ULisboa; Tratamento e difusão documental; Cooperação institucional.

Ana Paula Ablú Dias Alexandre é Licenciada em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, possui pós-graduação em Ciências da Documentação e Informação – Variante Biblioteconomia pela mesma Faculdade. Encontra-se actualmente a preparar dissertação de mestrado na mesma área científica sobre a colecção de periódicos oitocentistas da Biblioteca da Faculdade de Letras da Lisboa. Integra, desde Maio de 2000, a equipa da Biblioteca da Faculdade de Letras da ULisboa, sendo a responsável, desde o mesmo ano, pela área de gestão de publicações periódicas, função que acumula, desde 2016, com a coordenação do Serviço de Empréstimo, Atendimento e Acesso.

Pedro Estácio é Licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, possui pós-graduação em Ciências Documentais, na variante de Bibliotecas e Documentação, pela Universidade Autónoma de Lisboa e pós-graduação em Relações Internacionais, especialização em Relações Diplomáticas e Cooperação, pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa. Doutorando em Estudos Ingleses e Americanos, Ramo de Estudos de Literatura e Cultura na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Exerce, desde Maio de 2007, o cargo de Chefe de Divisão da Biblioteca da Faculdade de Letras da ULisboa. Corrdena, desde 2011 o American Corner da mesma Faculdade. Coordena, desde 2010, com a Professora Doutora Alcinda Pinheiro de Sousa e Teresa de Ataíde Malafaia o Programa Digital Humanities: Libraries, Schools, Social Commitment, do Centro de Estudos Anglísticos da Universidade de Lisboa (CEAUL).

%d bloggers like this: