eu2015Alice Santiago Faria  licenciou-se em Arquitectura na Universidade de Coimbra (1997) e é doutorada em História de Arte pela Universidade de Paris I, Panthéon-Sorbonne (2011), com a tese intitulada L’architecture coloniale portugaise à Goa. Le Département des Travaux Publics, 1840-1926 (Presses Académiques Francophones, 2014). Investigadora integrada do Centro de História d’Aquém e d’Além-Mar (CHAM) da FCSH, Universidade Nova de Lisboa e colaboradora do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia (CIUCHT), Universidade de Lisboa e Universidade Nova de Lisboa. É bolseira de pós-doutoramento da FCT com o projecto “Construindo o Império Português no séc. XIX: Obras públicas através do Oceano Índico e do Mar da China (1869-1926)” (www.buildingtheportugueseempire.org). No âmbito deste trabalho foi Visiting Fellow no Center for the Study of Invention and Social Process (CSISP,) Goldsmith, University of London (2012). É coordenadora do grupo de investigação “As Artes e a Expansão Portuguesa” e no desempenho dessas funções membro da Direcção Plenária do CHAM. Membro do projecto “Pensando Goa” (USP, Brasil).  Trabalha obras públicas no antigo Império português no longo séc. XIX. Tem explorado o campo das Humanidades Digitais, área que deseja aprofundar. O seu interesse pela impressa periódica colonial passa por questões relacionadas com a recepção das obras públicas e com a importância da imprensa peródica como fonte para o estudos das  obras públicas de um modo mais geral. Membro da Comissão Organizadora do Grupo Internacional de Estudos da Imprensa Periódica Colonial do Império Português (GIEIPC-IP).

CV: http://www.cham.fcsh.unl.pt/files/file_001722.pdf

 

%d bloggers like this: